O mundo vive uma pandemia do novo coronavírus. Isoladas em suas casas, pessoas do mundo inteiro tentam lidar com o Covid-19 e com as consequências causadas por ele. 

No Brasil a situação não é diferente: o país passa por um momento de alarde. Escolas e universidade cancelam suas aulas, eventos são adiados em todos os lugares do país e a orientação é que ninguém saia de casa, exceto em situações extremas. 

Apesar de seus sintomas similares aos de uma gripe comum, a infecção possui disseminação mais rápida e coloca em risco a vida da população acima dos 60 anos. 

China, Itália e Espanha são exemplos de quão complexo esse cenário pode se tornar se não houver uma contenção imediata da doença. 

Continue a leitura para saber exatamente com o que estamos lidando e descubra como se proteger. 

O que é o Coronavírus

O Coronavírus é na verdade uma família de vírus já conhecida desde o século passado. O nome do grupo advém de sua aparência microscópica, que lembra uma coroa. Este vírus foi isolado pela primeira vez ainda em 1937. 

Grande parte da população já entrou em contato com um desses agentes, em especial com o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, os Coronavírus que mais infectam humanos. 

No entanto, um novo agente foi descoberto em 31 de dezembro de 2019 na China, o COVID-19. Mais um membro desta família tão popular, mas com uma modificação nunca antes vista. 

Por ser um vírus completamente novo, é ainda desconhecido pelo sistema imunológico humano, que não possui anticorpos para lidar com o invasor. Transmitido pelo contato, a infecção acabou se espalhando rapidamente e se tornando uma pandemia. 

Mas será mesmo que há motivo para tanta preocupação? 

Grupos de Risco

A doença é extremamente perigosa para pessoas acima dos 60 anos de idade. Enquanto para população mais nova sua taxa de letalidade permanece entre 2 e 3% segundo dados da Organização Mundial da Saúde, para população entre 70 e 80 anos de idade essa taxa ultrapassa os 8%, chegando aos 15% em indivíduos com mais de 80 anos. 

Além disso, estão em maior risco os portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensão e distúrbios que envolvem o sistema imunológico do corpo. 

Como sempre, diante de um problema como este, aumentam as preocupações com crianças, recém-nascidos e gestantes. Contudo, no caso do Coronavírus, não há motivo para grande alarde. 

Tais populações também estão sujeitas à infecção, porém, até então, demonstraram sintomas leves, não evoluindo para quadros mais graves. 

De qualquer forma, todos devem manter-se em isolamento e realizar a higienização correta das mãos. 

Suspeita de Coronavírus

Para começar, vamos a algumas recomendações da Organização Mundial da Saúde. 

Se você voltou de uma viagem internacional nas últimas semanas e começou a apresentar febre e pelo menos um sintoma respiratório, deve ser investigado. 

Da mesma forma, caso tenha entrado em contato com um viajante internacional recente. 

De que tipo de contato estamos falando? Segundo a Abril, define-se como contato próximo: 

  • Contato físico direto;
  • Contato desprotegido com secreções infectadas;
  • Ficar frente a frente por mais de 15 minutos com uma vítima do novo coronavírus, mesmo em ambiente aberto e ventilado;
  • Estar em uma sala fechada por mais de 15 minutos e em uma distância a menos de 2 metros de alguém com Covid-19;
  • Passageiro de uma aeronave sentado em um raio de até dois assentos, em qualquer direção, de um caso confirmado.

Agora, são também considerados casos suspeitos aquelas pessoas que vivem em cidades que possuem casos confirmados e apresentem sintomas de Síndrome Respiratória Aguda Grave. 

O que fazer diante da suspeita de Coronavírus? 

A recomendação pelo isolamento deve ser levada a sério. Diante da suspeita, ligue 136 para mais orientações sobre o que fazer. 

A aglomeração de pessoas, especialmente em hospitais, clínicas e pronto atendimentos pode intensificar e acelerar a disseminação dos vírus. Além disso, esta alta procura pode impedir que seja oferecido um atendimento de qualidade para quem realmente precisa. 

Ir ao hospital aumenta ainda o risco de infecções tanto para esse como para outros agentes.

É natural que neste momento todo resfriado vire motivo para desespero, mas mantenha a calma. Informe-se e evite preocupações desnecessárias. 

O diagnóstico do Coronavírus se dá através de exames específicos, realizados com base em amostras das vias aéreas do indivíduo. 

Aprenda a reconhecer os sintomas

Apesar dos poucos estudos populacionais existentes para uma doença tão nova, sabe-se que muitas das infecções por Coronavírus são assintomáticas, especialmente entre crianças e adolescentes. 

Quando sintomática, a patologia se manifesta principalmente por alterações no sistema respiratório, um quadro bastante similar a uma gripe comum. 

Seus principais sintomas conhecidos até então são: 

  • Febre;
  • Tosse seca;
  • Dificuldades para respirar;
  • Fadiga;
  • Dor de Garganta;
  • Coriza.

Quando atinge o trato respiratório inferior, o vírus tende a causar pneumonias e outras complicações pulmonares. 

Novas investigações estão sendo feitas em busca de uma melhor caracterização dos sinais e sintomas da doença. 

Como o Coronavírus é Transmitido

A transmissão do vírus se dá de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias e contato. 

Esta é uma patologia altamente contagiosa, até por isso é motivo de tanta preocupação. Ainda não se sabe exatamente com que facilidade o Coronavírus se espalha, no entanto, basta ter contato próximo com alguém contaminado para estar exposto à infecção. 

Veja a seguir quais são as principais formas de contágio: 

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo;
  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

O período de incubação do vírus varia entre 5 e 14 dias. Geralmente, a transmissibilidade viral se inicia alguns dias após o aparecimento dos primeiros sintomas da infecção. Contudo, o caso do Coronavírus é diferente. Ao que tudo indica, o vírus começa a ser transmitido mesmo antes da manifestação sintomática da doença. 

Como prevenir

Nos últimos dias o Ministério da Saúde anunciou uma série de recomendações na tentativa de conter o espalhamento do vírus no país. 

Além do isolamento domiciliar indicado para população geral, foi requerido o adiamento de grandes eventos, o que inclui campeonatos esportivos, congressos, shows etc.  

Em geral, as principais recomendações são: 

  • Higienização adequada das mãos; 
  • Evitar contato físico;
  • Colocação de álcool em gel em serviços públicos e privados;
  • Aumento da frequência de limpeza de locais públicos, em especial de maçanetas e corrimãos;
  • Medidas de higiene redobradas; 
  • Estímulo a trabalhos remotos e reuniões virtuais;
  • Horários alternativos e escalas de trabalho; 
  • Antecipação das férias escolares ;
  • Evitar aglomerações, inclusive em supermercados e farmácias, muito comuns durante períodos como esse;
  • Alimentação saudável e rica em vitaminas que favoreçam a atuação do sistema imunológico do corpo.

Isolamento Domiciliar

Segundo recomendação do Ministério da Saúde, todas as pessoas com suspeita ou confirmadas com Coronavírus devem se manter em isolamento familiar. 

Neste momento, mesmo pessoas saudáveis são orientadas a ficar em casa, evitando o máximo de contato com o mundo externo para assim minimizar o risco de infecção, já que se trata de uma doença altamente contagiosa. 

Mesmo dentro de casa alguns cuidados são importantíssimos. Caso haja alguém com sintomas ou diagnosticado com o problema, essa pessoa deve, se possível, utilizar um quarto e um banheiro individual. 

Além disso, todos os seus objetos pessoais devem ser higienizados por ela mesma imediatamente após o uso, sendo esses ainda separados dos pertences dos outros indivíduos da casa. 

Aos doentes é indicado ainda o uso de máscaras, que evitam a propagação viral pelo ambiente. 

A ventilação também é muito importante, bem como a entrada de luz solar. No entanto, a porta do cômodo onde ficará a pessoa infectada deve ser mantida fechada. 

Para os demais moradores da casa, as orientações são aquelas apresentadas no tópico anterior, em especial evitar contato físico e fazer a higienização correta das mãos. 

Por que todos devem ficar em casa?

Como vimos, o Coronavírus é um vírus altamente contagioso, não é a toa que rapidamente se tornou uma pandemia. Por causa disso, mesmo não sendo uma doença grave para a maioria das pessoas, ele deve ser evitado. 

Aqui podemos usar como exemplo a Itália, que saturou o seu sistema de saúde, tendo neste momento que escolher quais pacientes tratar e quais deixar para morrer. 

O isolamento domiciliar é a solução para não evoluirmos nesta crise. A intenção das autoridades ao recomendar que todos fiquem em casa é a de evitar o espalhamento da doença e o risco da perda de controle, o que poderia sim, acabar em muitas mortes.

Higienização adequada das mãos 

Será que você sabe lavar as mãos corretamente? O nosso mau hábito de levar as mãos constantemente ao rosto aumenta consideravelmente o risco de contaminação por Coronavírus, até por isso optamos por separar um tópico exclusivamente para este assunto. 

Vamos a um passo rápido sobre como lavar a mão adequadamente.  

  1. Passe sabonete e água limpa nas mãos; 
  2. Esfregue uma mão na outra; 
  3. Limpe as pontas dos dedos e debaixo das unhas com bastante carinho; 
  4. Esfregue o polegar de cada mão; 
  5. Lave o dorso das suas mãos; 
  6. Esfregue bem entre os dedos e não se esqueça de reabastecer a mão de sabonete se for necessário; 
  7. Lave bem os punhos;
  8. Seque suas mãos com um papel toalha limpo;  
  9. Evite entrar em contato com a torneira, se possível, use um papel toalha para fecha-la.

Diante do cenário atual, a frequência ideal se resume a: o máximo de vezes possíveis ao longo do dia. Sempre que lembrar, lave as mãos ou use álcool em gel para higieniza-las. 

E lembre-se, nada de levar a mão ao rosto! 

Existe tratamento para o Coronavírus?

Infelizmente, ainda não há um tratamento adequado para a doença. Em geral, tem sido indicado aos pacientes infectados repouso, um alto consumo de água e algumas medidas simples para alívio dos sintomas, geralmente medicamentos antitérmicos e analgésicos. 

A confirmação diagnóstica é muito importante para um acompanhamento adequado do caso. 

Medicamentos a serem evitados

Você provavelmente ouviu dizer sobre a proibição do uso de alguns medicamentos diante da pandemia de Corona vírus. 

Tudo começou após o ministro de saúde da França afirmar que medicamentos como ibuprofeno podem piorar o quadro infeccioso. A informação foi apoiada pela revista científica Lancet e acabou se tornando conhecida no mundo inteiro. 

Embora não existam estudos suficientes para comprovar tal fato, especialistas concordam ser possível que tal medicamento aumente os níveis de um receptor que facilita a entrada do vírus.

Sendo assim, a recomendação é evitar o uso de qualquer remédio anti-inflamatório hormonal. Diante de qualquer dúvida, procure um médico de sua confiança. 

Dúvidas Frequentes

Existe vacina contra o Coronavírus?

Ainda não. Cientistas do mundo inteiro estão em busca de soluções para combate ao vírus, e estudam inclusive o desenvolvimento de uma vacina. No entanto, a doença é extremamente nova e ainda não foi totalmente compreendida. 

Quem deve usar máscara de proteção?

Apesar de muitas pessoas estarem aderindo ao uso de máscaras, não há recomendação deste tipo de proteção para pessoas saudáveis. A utilização de máscaras é recomendada para pacientes já diagnosticados ou com suspeita de infecção. 

Há risco de contaminação por meio de mercadorias estrangeiras?

O vírus permanece vivo em superfícies por cerca de 24 horas. O transporte de mercadorias, em especial da China, que é a maior preocupação, leva mais tempo do que isso. Até então não há evidências que demonstrem a necessidade de evitar a importação de produtos. 

Quais cuidados tomar durante o período de isolamento?

O isolamento é uma recomendação da Organização Mundial da Saúde para todos, independente da suspeita ou da infecção por Coronavírus. Para este período, foram orientadas ainda algumas precauções, que incluem evitar compartilhar objetos, evitar contato físico e fazer higienização frequente das mãos e dos ambientes da casa.

Como ficar a par das novidades?

Fique atento aos canais oficiais do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde. Seja cauteloso e apure os fatos antes de divulgar qualquer informação, muitas fake news estão sendo disseminadas. 

Informe-se e previna. Por mais simples que o Coronavírus possa vir a se tornar, a doença permanece obscura para a comunidade científica e deve ser evitada ao máximo.

Clique aqui e receba novidades sobre Telemedicina e Teleatendimento.

Escreva um comentário

Share This