Na imagem, dois profissionais da saúde de jaleco aparecem brincando de encaixar peças de quebra-cabeça de uma cabeça fictícia.

Janeiro Branco: é tempo de cuidar da saúde mental

O primeiro mês do ano alerta para conscientização e prevenção de transtornos relacionados a saúde mental por meio da campanha Janeiro Branco, promovida desde 2014. A ação, que convoca reflexões sobre a vida no início do ano, reforça a importância de atentar-se a aspectos relacionados à saúde mental e ao que pode ser feito para mantê-la equilibrada ao longo da vida. As hashtags #vemprasaudemental e #todostemdireitoasaudemental foram criadas destinadas a chamar atenção nas redes sociais para o Janeiro Branco.

Apesar de toda divulgação voltada ao mês, ainda falta reconhecimento do Janeiro Branco. De acordo com a base de buscas do BoaConsulta, a procura por psicólogos e psiquiatras mantém-se constante durante o ano, sem nenhum destaque no mês de janeiro, evidenciando a necessidade de relacionar o mês a preocupação e cuidado da saúde mental.

Ninguém está isento de ter a saúde mental afetada, pois a rotina acelerada exigida pela vida profissional faz com que muitos deixem de lado o bem-estar emocional e psíquico. Segundo a Organização Mundial de Saúde, OMS, a maioria dos transtornos mentais iniciam-se na juventude, pois é um momento na vida do adolescente de profundas mudanças, internas e externas.

“Metade de todos os transtornos mentais começa aos 14 anos, mas a maioria dos casos não é detectada e tratada. Em termos de carga de doenças entre adolescentes, a depressão é a terceira principal causa. O suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos. O uso nocivo do álcool e de drogas ilícitas entre adolescentes é uma questão importante em muitos países (…)”, relatou a Organização.

Para a psicóloga clínica Lucimara Pizzotti, “vivemos em tempos imediatistas, onde as pessoas sentem a necessidade ou a pressão de serem perfeitas o tempo todo, a partir de exigências da sociedade e cobranças pessoais.” Ainda segundo ela, a tecnologia também pode ser um fator agravante de transtornos psíquicos. “A tecnologia veio para ajudar muito, porém vem sendo um impulsionador nesse processo de estresse, baixa autoestima, ansiedade e depressão.”

A ansiedade, depressão e transtornos alimentares são os distúrbios mentais mais comuns no mundo. As possíveis causas envolvem fatores genéticos e sociais. Incluir pequenas ações podem ajudar a ter uma vida mais equilibrada, como praticar atividade física na rotina semanal e reservar um tempo individual para fechar os olhos e acalmar a mente. “Precisamos focar também e principalmente no realismo, entrando em contato com nossos medos, frustrações e anseios, para que tenhamos foco!”, complementa Lucimara.

Quando os distúrbios atrapalham a rotina, porém, é preciso buscar ajuda. Na maioria das vezes, a procura por um especialista não parte da vítima, por isso, pais, professores e pessoas próximas devem estar atentos a sintomas dos transtornos mentais e encaminhar a tratamento a psicólogos e psiquiatras.

Gostou de saber mais sobre o Janeiro Branco? Continue acompanhando nossos conteúdos!

 


Histórias recentes

Postagens similares

4 Comments

  1. Estou com o peito doendo e vômito e normal

  2. Estava brincando com meu cachorrinho ele acabou me mordendo fui ao pronto-socorro e o médico passou metronidazol, outros remédios e injeções só que tomei um dia, pois me senti com ânsia de vômito e diarreia já tem uns 15 dias. Não senti melhoras voltei de novo para upa continuo do mesmo jeito, minha pressão só altera os médicos acham que e virose mais o meu estomago ta pesado tudo que como corro pro banheiro o intestino não segura nada no estômago queria uma orientação por favor.

  3. Equipe Boa Consulta disse:

    Olá! Como vai Marly?

    Nesse caso, recomendamos que procure uma segunda opinião médica.
    Dessa forma será possível receber outra avaliação, e o profissional devera solicitar exames, afim de entender melhor o seu quadro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.