Quem é que não gosta de admirar as fachadas dos prédios com belas campanhas em cor-de-rosa durante o mês de outubro? Pois é! É bem provável que saiba que todo esse movimento é em prol da conscientização sobre o câncer de mama.

Nesse mês, todos se unem para lutar contra uma doença bastante nociva a todas as mulheres. Ocorre que, apesar de apresentar perigo, o câncer de mama, quando descoberto ainda em seus primeiros estágios, oferece grandes chances de cura. Assim, é importante que todas as mulheres saibam o que pode ser feito para evitá-lo.

Por isso, preparamos um post especial para esse mês. Nele, vamos te contar um pouco mais sobre o Outubro Rosa, sua história, seus objetivos e, é claro, explicar como detectar os sintomas de câncer de mama e quais exames de rotina você deve fazer para evitá-lo. Vamos lá?

O surgimento do Outubro Rosa

O Outubro Rosa, também conhecido como Pink October, é uma campanha com raízes americanas. Tudo começou em 1985, com um projeto nascido de uma parceria entre as empresas American Cancer Society e Imperial Chemical Industries. Com o nome de National Breast Cancer Awareness Month (Mês Nacional de Conscientização sobre o Câncer de Mama), seu objetivo era promover a ideia de que a mamografia é a melhor opção para lutar contra o câncer de mama.

Contudo, em 1993, Evelyn Lauder, vice-presidente da empresa Estée Lauder Companies, fundou a The Breast Cancer Research Foundation (A Fundação de Pesquisa do Câncer de Mama) e estabeleceu como símbolo oficial a fitinha rosa que conhecemos hoje.

A título de curiosidade, ela teve esse insight inspirando-se em Charlotte Haley e na Fundação Susan G. Komen. Haley era uma senhora de 68 anos que, em homenagem a sua irmã, filha e neta que tiveram câncer de mama, distribuiu fitas cor de pêssego para chamar a atenção para essa doença. Já a Fundação Susan G. Komen, durante uma corrida promovida por ela própria, distribuiu fitas cor-de-rosa para os participantes para homenagear as sobreviventes do câncer de mama.

Ainda em 1993, o presidente Clinton proclamou que toda terceira sexta-feira de outubro seria o “Dia Nacional da Mamografia” e incentivou empresas, clínicas e radiologistas a fornecerem exames gratuitos às mulheres — ou um desconto especial para a data.

Com o passar do tempo e algumas mudanças importantes na política social dos Estados Unidos, o Outubro Rosa — assim como a mamografia — tornou-se praticamente uma causa social que, por se expandir dentro do próprio país por meio de publicidades e campanhas, acabou conquistando o mundo inteiro.

O Mês Nacional de Conscientização sobre o Câncer de Mama no Brasil

No Brasil, a primeira manifestação registrada do Outubro Rosa foi no Parque Ibirapuera (SP), em 2002. Um grupo de mulheres que conheciam a causa iluminaram o Obelisco Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de rosa durante todo o mês. Em 2008, a Fortaleza da Barra (SP) e diversos outros monumentos por todo o Brasil também receberam a cor rosa com o objetivo de alertar as mulheres sobre a importância da mamografia e da prevenção do câncer de mama de forma geral.

A importância de conhecer os principais sintomas de câncer de mama

Ainda falando sobre o Brasil, a maior taxa de mortalidade entre as mulheres deriva do câncer de mama. Contudo, é preciso saber que, quando diagnosticado cedo, as chances de cura, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, são de 95%. É por isso que práticas como fazer check-up anualmente, estudar os principais sintomas de câncer de mama, aprender a executar o autoexame dos seios e, é claro, fazer a mamografia são fundamentais para se prevenir dessa doença.

Lembre-se que o câncer de mama, apesar de silencioso e discreto, dá alguns sinais. São eles:

  • maior sensibilidade nos seios ou mamilos;
  • mudança na textura da pele ou um aumento dos poros da pele das mamas;
  • mudança inexplicável no tamanho ou no formato dos seios;
  • pele da mama, aréola ou mamilo escamosos, avermelhados ou inchados;
  • liberação de líquido branco, semelhante ao leite, em mulheres não lactantes;
  • surgimento de nódulos.

A mamografia

Explicando brevemente, a mamografia é uma radiografia das mamas. Com ela, os médicos são capazes de descobrir a ocorrência do câncer de mama, mesmo em seus sinais mais precoces e até mesmo “não palpáveis”. Além disso, esse exame também pode orientar o médico com relação à decisão do que fazer com o tumor, desde tratamentos intensivos até apenas a retirada do caroço.

Funciona assim: durante a mamografia, a mama da paciente é colocada entre duas placas planas. Uma máquina de raios-X produz imagens dos tecidos da mama enquanto o seio está prensado entre essas placas. Nessa imagem, tecidos de baixa densidade, como gordura, aparecem translúcidos enquanto áreas de tecido denso, como tecido conjuntivo e glandular ou tumores, aparecem mais brancas em um fundo cinzento.

Em uma mamografia padrão, uma vista superior e uma lateral são tiradas de cada mama, embora possam ser tomadas vistas extras se o médico estiver preocupado com uma área suspeita da mama. Por fim, vale ressaltar que só o autoexame não é capaz de detectar o câncer de mama em nenhum estágio. Por isso, um check-up anual seguido de um pedido de mamografia é essencial para a mulher.

Viu como um exame simples e rápido como a mamografia pode salvar vidas? Basta se lembrar que, uma vez que os sintomas de câncer de mama são silenciosos e discretos, é preciso adicionar a mamografia à lista de check-up anual. Afinal, só ela é capaz de detectar a doença em seus primeiros estágios, tornando o tratamento menos doloroso e aumentando as chances de cura.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o Outubro Rosa, descobriu seu significado e aprendeu a cuidar das suas mamas, aproveite para ler também nosso artigo sobre os principais sinais de câncer!

 


Escreva um comentário

Share This