Mulher jovem sozinha sentada no chão chorando.

Quais são os principais tipos de depressão? Como reconhecer suas variações e quando é hora de pedir ajuda? Confira aqui!

Você conhece os principais tipos de depressão? Nos últimos meses têm sido muito difíceis para pessoas do mundo inteiro. Estamos passando não apenas por uma pandemia de coronavírus, mas por uma enorme recessão, onde os preços estão em alta e os empregos definitivamente em baixa. 

O resultado de tantas situações difíceis é um considerável aumento de pessoas doentes. Doenças mentais relacionadas ao comportamento humano são as que mais têm nos afetado, não apenas nos últimos meses, mas há já a algum tempo, na verdade. 

Em todo o mundo, já temos mais de trezentos milhões de pessoas que sofrem de depressão, uma doença comportamental que já vem sendo considerada pela própria ordem mundial de saúde como o mal do século XXI. 

Em nosso país, a situação não se ameniza. Mais de dezoito milhões de pessoas foram diagnosticadas com depressão e entre os continentes americanos só perdemos para os Estados Unidos, que domina o ranking dos depressivos. 

No início do ano de 2021 realizou-se a oitava edição da campanha mundial denominada “Janeiro branco”, de acordo com especialistas a preocupação com relação ao grande aumento de casos de doenças mentais nunca foi tão incisiva como agora. 

Mulher sentada no chão tampando o rosto.
Especialistas se preocupam com o crescente aumento de doenças mentais no ano de 2021 em razão da pandemia.

O período de pandemia pode desencadear um efeito gigantesco na sociedade, onde muita gente poderá, em algum momento, passar por sentimentos de tristeza e medo do que pode acontecer, sendo que a intensidade dessas emoções pode ser o início de um quadro depressivo para muitas pessoas, algo que deve variar de acordo com especificidades de cada um. 

A princípio, pode apenas parecer uma tristeza que corresponda a uma situação específica que a tenha desencadeado. No entanto, é preciso se atentar a certos fatores para poder saber identificar a diferença entre um simples momento de tristeza e o início de um quadro depressivo. 

Atentar-se a essas características específicas pode fazer com que o tratamento seja realizado o quanto antes. A depressão é uma doença que pode acontecer em etapas, sendo que se descoberta com antecedência é possível um tratamento mais brando e talvez até mesmo  sem a necessidade de intervenção medicamentosa. 

Mulher triste sentada com a mão no rosto.
Tristeza prolongada deve ser observado com seriedade, evitando o agravamento de um quadro depressivo.

Existe entre as pessoas uma forma estigmatizada de encarar doenças de natureza psíquica, o que pode piorar ainda mais a situação de muitos que necessitem de ajuda.

Por vezes, para alguém que sofre de um quadro depressivo ou mesmo de crises regulares de ansiedade, é extremamente difícil reconhecer-se nessa situação justamente porque muitos encaram esse tipo de patologia como algo irrelevante. Pedir ajuda torna-se um sacrifício sem medidas e sozinhos muitos não conseguem. 

A melhor forma de buscar resolver esse problema é desmistificando o assunto entre leigos e fazendo com que todos entendam a seriedade desses problema e o quanto é necessário fornecer apoio a uma pessoa com depressão.

O que é DP de acordo com a ciência 

Essa doença, também conhecida como Transtorno depressivo maior, é um tipo de patologia crônica e de natureza psicológica. Sua maior característica é manter o paciente sempre muito triste e angustiado. 

Muitas vezes confundida com um simples momento de tristeza, inicialmente, de fato aparenta apenas isso, uma breve alteração no humor que não seja compatível com o dia a dia do paciente. Muitos imaginam estar apenas cansados, ou tristes por algum fato que lhes tenha acometido. 

No entanto, se for o início de um transtorno, a tendência é a piora com o tempo. Estima-se que, se a tristeza durar mais de duas semanas, já é a indicação do início de um quadro depressivo. Com o tempo, o paciente estará tão mergulhado em um sentimento incapacitante que a doença começará a afetar suas tarefas diárias. Atrapalhando assim suas relações sociais e profissionais. 

Homem sentado sozinho no escuro.
Homem se isolando diante de um começo de depressão.

A explicação fisiológica para a causa da depressão é que ocorre em nosso organismo a falha ou o desequilíbrio da produção de certos neurotransmissores. 

A serotonina e a noradrenalina são substâncias químicas que trabalham como neurotransmissores, ou seja, enviam para o cérebro certas mensagens de outras partes do nosso corpo. Essas substâncias são responsáveis por certas funções muito importantes para todo o nosso corpo e o seu funcionamento. Elas regulam a dor, o sono e o humor. Os baixos níveis de serotonina estão associados ao surgimento de quadros de depressão, ansiedade e outros tipos de doenças mentais. 

Principais tipos de depressão

Quando falamos das milhares de pessoas doentes e diagnosticadas com depressão, de certa forma elas não podem ser enquadradas em um único tipo, pois as formas de tristeza podem ser tipificadas conforme singularidades que as distinguem. A seguir vamos conhecer esses tipos de depressão, assim como suas características. 

Depressão maior 

Essa é a classe mais comumente conhecida da doença. Ela pode ocorrer em três níveis diferentes. 

Leve – é uma forma branda da doença, com poucos sintomas quando comparada com as outras etapas. Seus sintomas costumam não atrapalhar o dia a dia do paciente e por isso é considerada leve. No entanto, é de extrema importância que essa condição não seja menosprezada, já que quanto antes tratada, menores as chances de evoluir para outras etapas. Nessa fase, na maioria dos casos tratados rapidamente, o tratamento é somente à base de psicoterapia, sem a necessidade de adição de remédios. 

Moderada – Este momento da doença ainda não é tão grave, mas exige cuidados mais incisivos, como uma combinação de remédios e outros métodos de intervenção psíquica.

Grave – Essa é a pior e mais preocupante fase. Os pacientes já estão ineptos para o trabalho e outros afazeres. Tarefas simples como levantar da cama, tomar banho e até mesmo comer, podem parecer as mais difíceis de serem realizadas. É preciso ocorrer aqui uma combinação de remédios e tratamentos psicológicos e psiquiátricos. 

O tratamento, para qualquer uma das fases acontece a partir de três situações: 

  • Remédios antidepressivos;
  • Psicoterapia;
  • Mudança de estilo de vida.

Depressão sazonal 

Esse quadro é bem raro no Brasil. Isso porque somos um país tropical e nossa luz solar é abundante em relação a outros países. Já países que passam por climas muito gelados e que a luz do dia fica escassa devido esse período, sofrem bastante com esse tipo de depressão. 

No inverno, com a escassez da luz natural, as pessoas acabam ficando mais suscetíveis a sentimentos deprimentes e angustiantes. Em muitos lugares, o dia começa tarde e, por volta das duas da tarde, já começa a escurecer, o que faz com que as pessoas fiquem muito mais deprimidas durante o frio. 

Mulher deprimida olhando pela janela no inverno.
Mulher com quadro de depressão devido ao inverno com pouca luz e contato social.

O tratamento adequado, utiliza as mesmas etapas citadas anteriormente e ainda pode contar com uma tecnologia chamada de fototerapia, onde o paciente é exposto a luzes artificiais dentro de uma cabine especial. Esse tratamento beneficia certas regiões cerebrais, podendo inclusive repor o que faz falta nesses períodos gelados. 

Depressão distímica 

Esse é um termo que praticamente encontra-se em desuso pela comunidade médica. Refere-se a um tipo de depressão bastante leves, quase imperceptíveis, mas com uma longa duração que pode chegar até dois anos. No entanto, a sutileza dos sintomas pode  levar o doente a não notar e portanto não buscar nenhum tipo de ajuda, pois não é forte o suficiente para provocar algum prejuízo em seu dia a dia. 

O grande problema dessa condição é que ela pode evoluir para versões mais graves da doença e portanto, torna-se mais difícil de ser tratada.

O tratamento funciona basicamente à base de psicoterapia e a realização de atividades físicas

Depressão atípica 

Esse tipo foi nomeado assim por possuir sintomas aversos a depressão como ela é de fato conhecida. Ela intriga especialistas por acometer de forma diferente seus pacientes. 

Enquanto a versão clássica da depressão provoca nos pacientes sintomas como sono excessivo, perda de apetite, perda de peso, entre outros. A depressão atípica causa insônia, compulsão alimentar e aumento de peso, por exemplo. 

Homem com raiva gritando com mulher.
Na Depressão distímica  o paciente apresenta quadros de irritabilidade e tristeza sem motivos aparentes.

Outra característica dessa condição é também a piora do quadro no fim do dia, quando o paciente apresenta mais irritabilidade e tristeza. 

O tratamento pode ser a base de antidepressivos e estabilizadores de humor, como os que são receitados em caso de bipolaridade. 

Sintomas e causas 

Embora existam em níveis e tipos diferenciados, a maioria dos sintomas podem ser encaixados em quase todas as modalidades de depressão. Os sintomas mais comuns são: 

  • Tristeza profunda que dura muito tempo; 
  • Irritabilidade; 
  • Pessimismo, angústia; 
  • Sentimentos de culpa; 
  • Perda de interesse pela vida; 
  • Cansaço extremo, fadiga; 
  • Movimentos corporais e fala mais lentos; 
  • Inquietude; 
  • Problemas de concentração; 
  • Perda de memória; 
  • Problemas com o sono;
  • Alterações no apetite e no peso corporal; 
  • Vontade de morrer; 
  • Dores sem motivo aparente. 

As causas responsáveis por provocar um caso de depressão podem ser as mais diversas também. Dentre as mais comuns conhecemos: 

  • Transtornos psiquiátricos que se relacionam com a doença;
  • Exposição contínua a situações estressantes; 
  • Desequilíbrio hormonal; 
  • Problemas na tireoide; 
  • Obesidade;
  • Sedentarismo; 
  • Dieta desequilibrada; 
  • Drogas, bebidas, cigarro; 
  • Excesso de internet e redes sociais; 
  • Traumas psicológicos ou físicos; 
  • Entre outros. 

Algumas atitudes podem ser bastante úteis para prevenir a depressão, assim como para auxiliar no tratamento. Baseia-se em mudanças de hábitos alimentares e realização de atividades físicas. 

A depressão não é uma doença que deva ser menosprezada, tanto quanto qualquer outra que acometa alguém.

Ela é perigosa e necessita de cuidados e de tratamento. Pessoas que sofrem de depressão, necessitam de ajuda, apoio e amor de seus amigos e familiares próximos, muitas têm dificuldade em solicitar ajuda e por isso é tão importante que seus entes e amigos prestem atenção e ofereçam a ajuda tão necessária caso o paciente não tome a iniciativa de dizer socorro.

Além disso, procurar ajuda de um especialista em depressão é fundamental para a melhora do paciente, ao procurar o tratamento a pessoa retoma sua qualidade de vida.

Você reconhece os sintomas da depressão em você ou em alguém? No BoaConsulta você encontra os melhores Psicólogos e Médicos psiquiatras especialistas em depressão, agende sua consulta online e seja atendido por videochamada ou presencialmente.

Histórias recentes

Postagens similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.