Para se prevenir de diversas doenças é fundamental que você se vacine. O Sistema Único de Saúde (SUS) pelo Programa Nacional de Imunizações promove acesso gratuitamente a todo brasileiro para que possa se imunizar. E você deve estar pensando, mas onde se vacinar em SP?

Há muitos locais, além das Unidades Básicas de Saúde próximas de sua casa ou trabalho, existem as clínicas de vacinações que atendem crianças, adolescentes, adultos e idosos, mesmo que não haja campanha de vacinação.

Afinal, todos devem estar com suas doses em dia para se prevenirem de doenças como tétano, difteria, coqueluche, hepatite A e B, poliomielite, entre outras. Saiba mais sobre a importância da vacinação e os locais de atendimento neste post que preparamos. Confira!

Entenda a importância da vacinação para a saúde das pessoas

Logo que o bebê nasce ele já toma as vacinas de BCG e Hepatite B, mas por que isso acontece? A vacina é relevante para o ser humano porque estimula o sistema imunológico a formar anticorpos para que o organismo se torne imune aos vírus e bactérias que provocam às doenças. Elas são formadas por moléculas, micro-organismo mortos ou vivos atenuados.

A população ao tomar as vacinas obtêm um custo-benefício para que haja controle das doenças imunoprevisíveis — afinal, é melhor prevenir do que tratá-las. Todas as pessoas devem tomá-las ao longo de suas vidas, uma vez que elas trazem segurança e são primordiais para a saúde pública, erradicando doenças nos lugares. São anos de pesquisa e desenvolvimento técnico e científico para sua fabricação.

Conheça para que servem e quais doenças previnem

A vacinação de rotina deve ser feita na idade recomendada. Há, ainda, as campanhas que ocorrem todo ano que também deve ser levada a sério, ou seja, uma não exclui a outra. Conheça algumas bem relevantes para seu corpo.

Difteria e tétano

Causada por uma bactéria, a difteria pode ser transmitida pelo contato das secreções das pessoas contaminadas. A doença ataca o sistema respiratório e, se evoluir, pode inflamar o coração. As pessoas com diagnosticadas sentem febre e dores de cabeça.

Com o tétano, a bactéria compromete os músculos de forma que apresenta espasmos involuntários, principalmente na região respiratória. Caso não seja tratada logo no início, pode levar o doente a uma parada respiratória devido a problemas causados no diafragma, músculo encarregado da respiração.

Para se prevenir dessas doenças, a vacina contra difteria e tétano é dada em três doses em um intervalo de dois meses cada, devendo ser aplica aos dois, quatro e seis meses de vida. O reforço precisa ser feito a cada 10 anos ao longo de sua vida para manter a imunização.

Coqueluche

Conhecida antigamente como tosse comprida, a coqueluche é uma doença infecciosa e atinge o aparelho respiratório provocando uma tosse seca. Quando a pessoa contaminada fala, tosse ou espirra ela transmite o vírus, e se uma criança pega essa doença pode levá-la até a morte. A vacina deve ser tomada nos dois, quatro e seis meses.

Hepatite A e B

A hepatite A dificilmente se apresenta de maneira grave. Sua forma de contágio é fecal-oral, em que as pessoas são infectadas por meio de alimentos ou água contaminada devido à falta de saneamento adequado de uma região e falta de higiene das pessoas. As crianças devem ser vacinadas entre um a dois anos incompletos.

Já a hepatite B é mais grave, pois é transmitida pelo sangue e raramente apresenta sintomas. Existem indivíduos que se curam sozinhos e nem ficam sabendo que tinham a doença, outros desenvolvem lesões no fígado evoluindo para uma cirrose ou mesmo um câncer na região.

As formas de contágio são por relação sexual e troca de seringas no uso de drogas. Até aos 24 anos, todas as pessoas devem tomar a vacina contra hepatite B, ela é gratuita em qualquer UBS.

Poliomielite

A poliomielite é uma doença aguda provocada pelo poliovírus que infecta, crianças e adultos, por contato direto com fezes e secreções da boca de outras pessoas contaminadas. Em situações mais graves pode paralisar os músculos, inclusive os inferiores.

A vacina é famosa gotinha contra paralisia infantil, que precisa ser dada nas crianças aos quatro e seis meses e, ainda, um reforço antes de fazer um ano e três meses.

HPV

O vírus HPV é transmitido para homens e mulheres por relação sexual provocando câncer de útero, de vulva, pênis, boca, ânus e pele. A vacina bivalente protege as mulheres dos tipos 16 e 18 de HPV. Já a quadrivalente traz proteção aos tipos 6 e 11, além dos 16 e 18 e, ainda, os homens podem tomar.

As doses dessa vacina são divididas em três fases, a segunda depois de 30 dias da primeira e a terceira após seis meses da segunda, e precisa ser tomada até os 26 anos.

Se a pessoa não tiver começado a sua vida sexual e tomar a vacina, ela estará mais protegida. Outro detalhe é que a ela não dispensa o uso de preservativos, até porque há mais 100 tipos de HPV e protege somente de alguns — e isso não inclui as demais doenças sexualmente transmissíveis (DST).

Saiba onde se vacinar em SP

CIAT – Centro de Imunização e Apoio Terapêutico

Av. Ver. José Diniz, 3457 – conjunto 511/512

Campo Belo

Fone: (11) 5041-1248 e 5531-5362

http://www.ciat.com.br

Clínica Infantil Santa Isabella

Rua Verbo Divino, 246

Granja Julieta (Santo Amaro)

Fone: (11) 5189-9947

http://santaisabella.com.br/

Climuni Centro de Vacinação

Rua Felipe Gadelha, 126

Carandiru (Santana)

Fone: (11) 2221-3058

http://www.climuni.com.br/

Vacinarte Clínica de Vacinação

Rua Roma, 620 – Conj. 77 B

Lapa

Fone: (11) 2729-9593 / 2306-4254

https://www.vacinarte.com.br/

Se houver alguma dúvida sobre a vacina que deve tomar procure um médico infectologista que é o especialista dessa área. Agora você já entendeu a importância delas na sua vida e quantas doenças elas conseguem prevenir? Agora, com os endereços de onde se vacinar em SP, além das Unidades Básicas de Saúde, não há mais desculpas. Afinal, já diz o ditado, “é melhor prevenir do que remediar”. Vamos lá?

Busque mais informações sobre o sarampo e a vacina que combate essa doença.

Escreva um comentário

Share This