A invenção da pílula anticoncepcional, na década de 60, revolucionou o mundo e trouxe maior liberdade sexual feminina. Esse medicamento é, até hoje, o método contraceptivo mais utilizado devido às inúmeras vantagens e facilitações que ocasiona para as mulheres.

No entanto, nem tudo “são flores”! O método também tem algumas desvantagens que precisam ser avaliadas tanto por um ginecologista em relação ao seu estado de saúde quanto por você mesma para decidir se a pílula está de acordo com as suas necessidades.

Quer saber quais são as vantagens e desvantagens desse método? Acompanhe o texto na íntegra!

Vantagens

Além da prevenção de uma gravidez indesejada — que é o principal motivo para o seu uso — a pílula agrega diversos benefícios na vida e na saúde da mulher. Confira a seguir!

Tem alta eficácia contra gravidez

Ao optar pela pílula como método contraceptivo, dificilmente você ficará grávida — o índice de eficácia é de 98%. Isso porque ela bloqueia completamente a ovulação, o que resulta na inexistência de um período fértil.

O medicamento também interfere no endométrio, dificultando a fixação de um óvulo que escape e seja fecundado. Além disso, aumenta o muco endocervical, evitando que os espermatozoides atinjam as trompas, onde ocorre a fecundação.

Mas, para que tudo isso funcione, você deve tomar a pílula adequadamente. Ou seja: todos os dias e, preferencialmente, nos mesmos horários. É preciso também tomar cuidado com os vômitos e diarreias nas 4 horas após a ingestão do remédio, bem como estar atenta com o uso de medicamentos que podem interferir na sua eficácia.

Caso se esqueça de tomá-la por um período maior que 12 horas, você precisará se proteger com outros métodos contraceptivos até iniciar uma próxima cartela.

Melhora a pele

Muitas mulheres fazem o uso de pílula anticoncepcional para tratar uma disfunção dos hormônios sexuais androgênicos. O problema provoca, entre outros sintomas, muita acne, espinhas, oleosidade excessiva e pelos faciais.

Essa situação afeta em muito a qualidade de vida, bem-estar e autoestima da mulher. Mas, com o uso regular da pílula, ocorre uma diminuição do nível desses hormônios e, consequentemente, a pele fica mais bonita e livre desses desagradáveis e visíveis sinais.

Diminui cólicas e a TPM

A pílula anticoncepcional regula todo o sistema reprodutor por conter dosagens adequadas de hormônios — na maioria das vezes, uma associação de estrogênio e progesterona. Assim, logo na menstruação após a primeira cartela, sintomas como as cólicas diminuem, pois o seu corpo não estimulará mais o útero de maneira exacerbada como antes.

Além disso, a tensão pré-menstrual — famosa TPM, tão temida pelos homens — também é reduzida devido à conquista de um equilíbrio hormonal. Isso inibe quedas e picos repentinos dos hormônios LH (luteinizante) e FSH (folículo estimulante), responsáveis pela ovulação, e que afetam o humor feminino no período que antecede a menstruação.

Regular o ciclo menstrual

Para as mulheres que se sentem incomodadas com ciclos menstruais irregulares, a pílula anticoncepcional pode ser uma boa opção para solucionar o problema. Como são ingeridas quantidades exatas e regulares de hormônios por determinados dias e seguidos por uma pausa, a tendência é que a menstruação fique bem certinha.

Dessa forma, ela costuma vir durante a pausa, pois é a partir do momento que há a interrupção do método (durante 7 ou 4 dias, dependendo do tipo escolhido) que o corpo identifica que deve menstruar.

Mas não se preocupe! Essa pausa não interfere na eficácia durante os dias que não estiver tomando os comprimidos. Outra questão importante é saber que nem sempre a menstruação deve vir no mesmo dia e hora, mas quase sempre na mesma época.

Reduz o fluxo menstrual

Além de inibir a ovulação, o uso da pílula promove a diminuição da espessura do endométrio — um tecido existente dentro do útero e responsável pela menstruação. Então, é normal que algumas mulheres relatem a diminuição do fluxo menstrual após iniciar esse método. Mas, essa não é uma regra e nem todos os casos estão sujeitos a isso.

Além disso, algumas mulheres acabam não apresentando sangramentos durante a pausa. Para quem deseja ou precisa cessar completamente a menstruação, uma alternativa é fazer o uso contínuo da pílula, sem pausas nas cartelas.

Desvantagens

Agora, conheça algumas desvantagens que podem surgir ao longo do uso da pílula anticoncepcional. Lembrando que cada situação é diferente e caso você tenha predisposição para algum dos problemas é preciso avaliar se esse método é adequado para você.

Retém líquido e aumenta as celulites

É possível que o uso do medicamento provoque retenção de líquido, que pode resultar em ganho de peso repentino, em média de dois a três quilos. Números superiores a esses não são normais e exigem uma pesquisa mais aprofundada, feita por um médico especialista, para saber o que pode estar acontecendo.

Devido ao inchaço, as celulites, ficam mais visíveis e até aumentam em número. Entretanto, para controlar esse mal, a prática de atividades físicas, ingestão correta de água e algumas sessões de drenagem linfática podem ser muito úteis.

Aumenta a possibilidade de doenças hepáticas

Como há uma constante ingestão de hormônios via oral, que são metabolizados no fígado, esse órgão pode vir a sofrer problemas, como a sobrecarga, ao longo do tempo de uso desse método contraceptivo.

Por isso, é essencial que mulheres que já apresentam um histórico de lesões e problemas hepáticos não façam o uso desse medicamento para não aumentar o risco de desenvolver ou agravar doenças relacionadas.

Facilita a hipertensão arterial

Os riscos de desenvolver hipertensão arterial com o uso da pílula é mais significativo no caso dos comprimidos que contêm estrogênio em sua composição. Afinal, quando esse hormônio é produzido sinteticamente, ele tende a ser vasoconstritor.

Esse também é um grande fator de risco para mulheres que já têm o problema ou que apresentam um histórico familiar de hipertensão arterial. Sendo assim, é preciso ter atenção para não haver riscos de desenvolver problemas cardiovasculares relacionados.

Aumenta o risco de doenças tromboembólicas

Se você tem predisposição a doenças como trombose, infarto, derrame ou embolia pulmonar, a pílula não é indicada, visto que ela aumenta as chances da ocorrência desses eventos.

Contudo, vale ressaltar que esses casos são raros e afetam uma porcentagem muito pequena das mulheres que a utilizam. Além disso, o risco é maior nos primeiros meses de uso, então, ao manter a ingestão de um mesmo anticoncepcional você fica mais segura com o tempo!

Como visto, a pílula anticoncepcional tem benefícios e malefícios. Cabe a você marcar uma consulta com um ginecologista para decidir se esse é o método adequado para a sua saúde e rotina, bem como evitar a automedicação. O profissional prescreverá a melhor opção de pílula e, dessa forma, você poderá aproveitar todos os benefícios ao utilizá-la.

Gostou deste artigo sobre a pílula anticoncepcional? Então não deixe de assinar a nossa newsletter para sempre receber conteúdos de qualidade como este!

Escreva um comentário

Share This