A vasectomia é a cirurgia recomendada para homens que não desejam mais filhos, o procedimento é seguro, rápido e bastante eficiente ao que se propõe. Embora seja uma ótima alternativa, sofre ainda uma grande rejeição, principalmente devido a mitos famosos a seu respeito.

Nos Estados Unidos, é tido como o procedimento cirúrgico mais frequente no âmbito da urologia, utilizado por cerca de 11% dos casais. Os números no Brasil também são altos. De acordo dados do SUS (Sistema Único de Saúde), o número de vasectomias realizadas no Brasil cresceu mais de 300% entre 2001 e 2017.

Como é feita a cirurgia?

A cirurgia pode ser realizada no próprio consultório. O procedimento em si, tem início com uma pequena anestesia local na pele da bolsa testicular.

Depois de anestesiar a área, fazemos um pequeno corte para exteriorizar o ducto deferente. Esse ducto será cortado e terá as suas pontas suturas, processo chamado de esterilização.

A vasectomia dura entre 15-20 minutos e o paciente é liberado alguns instantes após o término da cirurgia.

Quanto à recuperação, também não há com o que se preocupar. Orientamos a manutenção de repouso por dois ou três dias e a abstenção de atividades sexuais por uma semana, bem como de atividades físicas que exijam esforço.

Nos três primeiros dias que sucedem à intervenção pode haver dor e desconforto na região escrotal, sintomas controlados pelo uso de analgésicos comuns.

É importante relatar que durante as primeiras ejaculações após a vasectomia ainda há grandes chances de estarem presentes espermatozoides viáveis. Apenas após o indivíduo ter ejaculado pelo menos 15 vezes e a análise do sêmen demonstrar ausência de espermatozoides móveis, o paciente pode ser considerado estéril.

A vasectomia afeta a potência sexual?

Essa é certamente a principal dúvida em nossos consultórios. A resposta é não.

Como vimos, a intervenção é voltada ao canal deferente, um ducto que conduz os espermatozoides a partir do epidídimo, onde ficam armazenados depois de produzidos nos testículos. Não há nenhuma relação com a potência sexual, embora se torne estéril, após a vasectomia, o homem não se torna impotente.

Muitos homens, no entanto, relatam sensação de diminuição da masculinidade. Não temos nenhuma explicação fisiológica que comprove interferência do procedimento no comportamento sexual.

Normalmente, a questão é puramente psicológica, ligada aos temores e aos mitos que envolvem o método.

Por outro lado, muitos casais relatam aumento da excitação sexual, explicado pela diminuição do cuidado e sensação de liberdade após a vasectomia.

Quem pode fazer a vasectomia?

Por lei, no Brasil, o procedimento só é permitido para homens maiores de 25 anos ou que tenham pelo menos dois filhos vivos, observado o prazo mínimo de 60 dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico.

A pessoa interessada deve passar por uma avaliação com um assistente social e um psicólogo, que dirão se ela se encaixa no perfil e está liberada para o procedimento.

É essencial que o paciente, e sua companheira, se for o caso, pensem bem sobre a decisão, afinal, ele não poderá ter mais filhos.

Dr Ezer Amoras Melo

Dr. Ezer Amoras Melo – Urologista – CRM 67273 SP

Agende sua consulta, acesse!

Escreva um comentário